Hiper Serviços - Apoio O que é a desoneração da folha de pagamento? Como está agora?
O que é a desoneração da folha de pagamento? Como está agora?

A desoneração da folha de pagamento, que beneficiava 17 setores, principalmente os de serviços, foi suspensa por decisão do Supremo Tribunal Federal. No dia 25/04, o ministro Cristiano Zanin, do STF, suspendeu trechos da lei que prorrogou a desoneração da folha até 2027. A decisão foi submetida ao plenário virtual da Corte, e a sessão segue até o dia 6 de maio. A determinação, porém, já terá efeito imediato sobre os setores.

Como fica agora?

Decisão, se mantida pelo STF, é imediata. Segundo Gustavo Taparelli, sócio da Abe Advogados, "a suspensão da vigência da desoneração da folha é imediata". A contribuição previdenciária patronal das empresas é recolhida todo dia 20 de cada mês. Então, a partir do dia 20 de maio, já haverá mudanças: se os contribuintes recolhem a contribuição sobre o faturamento, deverão passar a recolher sobre a folha de salários.

"A decisão cria uma incrível insegurança jurídica e risco de demissão de funcionários pelas empresas dos setores antes beneficiados"
Gustavo Taparelli

O que é a desoneração da folha de pagamento

A desoneração da folha foi introduzida em 2011, em caráter temporário. A medida substituiu a contribuição previdenciária patronal (CPP), de 20% sobre a folha de salários, por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta.

CPP é o recolhimento de contribuições sociais pela empresa ao INSS. A desoneração custa R$ 9,4 bilhões ao ano.

O projeto vale para empresas de 17 setores, principalmente no setor de serviços. São eles:

  • Confecção e vestuário
  • Calçados
  • Construção civil
  • Call center
  • Comunicação
  • Empresas de construção e obras de infraestrutura
  • Couro
  • Fabricação de veículos e carroçarias
  • Máquinas e equipamentos
  • Proteína animal
  • Têxtil
  • Tecnologia da informação
  • Tecnologia de comunicação
  • Projeto de circuitos integrados
  • Transporte metroferroviário de passageiros
  • Transporte rodoviário coletivo
  • Transporte rodoviário de cargas

As alíquotas reduzidas valem apenas para remunerações de até um salário mínimo (R$ 1.412). Na prática, se um trabalhador recebe um salário mínimo, a empresa vai pagar apenas a alíquota reduzida. No caso de funcionários que recebem mais, o imposto mais baixo é cobrado sobre o mínimo e o restante tem cobrança dos 20% de imposto.

Histórico 

O governo vetou, em novembro, um projeto que pretendia prorrogar a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia. Esse veto, no entanto, foi derrubado pelo Congresso.

Em dezembro, o Congresso Nacional promulgou a Lei 14.784 para prorrogar até 31 de dezembro de 2027 a vigência da política de desoneração da folha de pagamento. A proposta será estendida a prefeituras, o que reduziria a contribuição previdenciária de municípios.

O governo federal apresentou, então, uma "reoneração gradual" da folha de pagamentos. A proposta foi apresentada por MP, publicada o dia 29 de dezembro de 2023. A partir de abril, as empresas começariam a pagar uma alíquota de imposto cada vez maior por ano até 2027. O valor da alíquota dependeria do grupo de empresas.

Logo, a MP foi alvo de críticas do Congresso e do mercado. Os setores beneficiados pela desoneração dizem que veto ao projeto vai gerar desemprego, enquanto o governo federal alega que a medida não foi positiva ao mercado de trabalho nos últimos anos.

Em fevereiro, o governo editou uma MP, revogando trechos da primeira. Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, deixou a reoneração prescrever e disse, na ocasião, que o governo recuou, aceitando manter a desoneração.

A novidade mais recente é a decisão do ministro Cristiano Zanin, do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele atendeu a pedido do presidente Lula (PT) e da AGU (Advocacia-Geral da União) e suspendeu trechos da lei que prorrogou a desoneração da folha até 2027. A decisão será submetida ao plenário virtual da Corte. Zanin considerou que, sem indicação do impacto orçamentário, poderá ocorrer "um desajuste significativo nas contas públicas e um esvaziamento do regime fiscal constitucionalizado". Como resposta, Pacheco anunciou que vai recorrer da decisão do ministro Zanin e que a decisão é "catastrófica".

Fonte: UOL Economia

Foto: Carlos Moura/SCO/STF

 

Notícias

ver todas as notícias
Transferência de créditos de ICMS entre empresas do mesmo titular deixa de ser obrigatória

Transferência de créditos de ICMS entre empresas do mesmo titular deixa de ser obrigatória

Nesta terça-feira (28), o Congresso Nacional reincluiu na Lei Complementar (LC) 204/2023 o dispositivo que estabelece a possibilidade de o contribuinte promover, ou não, a transferência de créditos escriturais de ICMS nas transferências de mercadorias entre seus estabelecimentos.
Transferência de créditos de ICMS entre empresas do mesmo titular deixa de ser obrigatória